MITO  10: “O VERDADEIRO GÓTICO É SÓ O ESTILO ANOS 80”

MITO 10: “O VERDADEIRO GÓTICO É SÓ O ESTILO ANOS 80” ou "O DARK É O VERDADEIRO GÓTICO"


REUMO: Essa frase faz tão pouco sentido quanto dizer que só os brasileiros e estilos do século XVIII são verdadeiramente brasileiros...


Claro, especialmente em São Paulo os rótulos "80's", "underground" ou "alternativo" e até "dark" são filões mais comerciais e mais aceitáveis socialmente do que "gótico". O mesmo ocorre em outros lugares.


Joy Division, New Order, The Smiths, The Cure, Depeche Mode & Cia na pista são garantias de casa cheia. Já o rótulo gótico poderia afastar a maior parte do público dessas bandas e similares, por isso muitos o evitam.

Mas não se resume a uma questão de rótulos apenas: são de fato classificações que apontam para conteúdos e segmentos de público: gótico é um segmento pequeno e especializado, com uma tradição enorme e variada de 40 anos, (veja um pouco no link) desconhecida do grande público. Já "80's", pelo seus sentido mais amplos e indefinido, pode ser facilmente aplicado a muita coisa bastante conhecida, que foi mainstream no passado ou atual que se parece muito.


Além disso, em muitos casos, as questões de visuais, valores e comportamentos ligados a subcultura gótica não são aceitas por públicos mais conservadores, e isso não é bom para os negócio$. Mais um motivo pelo qual nomes mais genéricos são usados.


E, principalmente, Gótico não é um mero revivalismo, não só "um estilo dos 80". O Gótico dEsde o final dos anos 80, anos 90 e no século XXI tem uma vasta tradição que não se resume aos estilos musicais conhecidos como "dos anos 80".


“Dark” foi um nome criado pela imprensa brasileira para classificar o conjunto post-punk/new-wave/no wave/punk que chegava misturado e atrasado ao Brasil. Neste aspecto o Dark brasileiro seria algo aproximado ao post-punk/new wave internacional (lembrando que o rótulo dark só foi usado neste sentido aqui). Leia um texto completo sobre a diferença GÓTICO X DARK aqui. OITENTISMO E OUTROS MITOS


VOLTAR PARA O TEXTO "10 MITOS QUE PREJUDICAM A CENA GÓTICA BRASILEIRA"


É ótimo termos especializações, é algo que surge naturalmente com a durabilidade das subculturas ou cenas musicais. Mas uma especialização que busca apagar todas as outras vertentes é um processo de exclusão: imagine um movimento de Rockers que queira dizer que o único rock realmente rock é o dos anos 50... seria chamado de insano, não?

Claro que há tradições históricas e desenvolvimentos coerentes, mas é importante não confundir coerência com revivalismo. Coerência significa algo novo e diferente que significa o mesmo em novo contexto. Revivalismo é repetição do mesmo. Como os bailes de bolero, rock 50’s ou valsa que ainda existem até hoje: são segmentos revivalistas, não subculturas vivas.

Já mostramos em diversos textos que o gótico já nos anos 80 incluiu muitas influências que vão além do post-punk. Bandas de gothic rock góticas incluíram os mais diversos estilos de forma criativa em uma grande renovação nos anos 1990.


Em uma realidade em que as pessoas estão recebendo o tempo todo informação atualizada sobre os desenvolvimentos atuais da subcultura gótica a nível global e local, tentar se fixar em um modelo restritivo e do século passado só tem sentido junto com os demais mitos que comentamos, com o objetivo de manter uma cena diminuta de modelo ultrapassado.


Nenhum destes mitos age sozinho: eles funcionam em conjunto, como um sistema de auto-alienação que destrói possibilidades de desenvolvimentos culturais para uma cena gótica no Brasil, apesar de termos todos os recursos materiais e culturais para isso. VOLTAR PARA O TEXTO "10 MITOS QUE PREJUDICAM A CENA GÓTICA BRASILEIRA"

O APAGAMENTO DO GÓTICO PELA MÍDIA

Esse mito aparece também como "gótico é só post-punk" ou "gótico é outro nome do dark".

Não podemos reduzir a tradição musical gótica a post-punk, isso exclui a maior parte dos góticos, inclusive os com mais tempo de vivência na cena gótica e amputaria partes importantes de nossa história. Veja um pouquinho dessa história aqui.

Essa redução foi interessante só para a crítica musical mainstream, que ignorou a evolução do estilo e música góticos já na segunda metade dos anos 1980 e outros desenvolvimentos paralelos e posteriores.


O PROBLEMA DO OITENTISMO ou 40 ANOS DE APAGAMENTO DO GÓTICO NO BRASIL:

O oitentismo tem sido usado para apagar o estilo gótico no Brasil desde... os anos 80 até hoje, em cada época com um nome e desculpas diferentes, mas sempre com o mesmo objetivo.

As vezes por conveniência comercial, outras por conservadorismo, muitas vezes por uma convergência de ambos.

Simples: é mais fácil ganhar dinheiro se você criar um zoológico com o nome de gótico que é apresentado como apenas “80’s de preto”, uma versão que periodicamente tem um revival no mainstream, como vemos novamente nos últimos anos.

Conservadorismo porque a subcultura gótica tem características “socialmente incômodas” mais difícil de serem deglutidas em uma sociedade conservadora como a brasileira do que as características disruptivas do metal, punk ou mesmo o hip-hop, que são questionadores em áreas importantes mais já mais aceitáveis hoje, como a questão social ou a questão racial. Porém as questões como papéis de gênero, morte x sentido da vida e aceitação de lados da vida humana banidos pelo capitalismo solar do século XXI, continuam fazendo o gótico sendo algo ao mesmo tempo mais difícil de aceitar e, logo, de vender.

Ao mesmo tempo, no Brasil os anos 80 nunca saíram de moda. Por isso é comercialmente muito mais fácil e lucrativo fazer uma festa “anos 80, ou flash ou alternativo anos 80” do que uma festa gótica e darkwave coerente. Também rótulos como “alternativo” e “underground”, por serem genéricos, são muito usados como grifes comerciais, que atraem público não alternativo e curiosos para fazer “turismo” no “zoo gótico” com modelos diluídos e sem caráter definido, que acaba servindo como apagamento social de subculturas como a gótica e, muitas vezes, objetificação das mulheres góticas fora da cena gótica: o visual gótico feminino é “aceito” e comercializado, mas não o visual gótico masculino. Assim sugiram as estratégias comerciais de “gótico de bom gosto” (= homem gótico com visual heteronormativo conservador + gótica com visual Femme fatale objetificado).

Assim, desde os anos 80 até hoje, a grife “80’s” continua sendo uma marca comercialmente forte em São Paulo e outras grandes cidades do Brasil. Festas “80’s” são uma garantia comercial por dois motivos principais:

-como foi o mainstream dos anos 80, tem o recall de um público que é mais velho ou saudosista, principalmente entre o público não-alternativo, que é a maioria.

-e em segundo lugar, porque boa parte do que era música alternativa nos anos 80 foi absorvido no mainstream posteriormente, veja-se os vários revivals 80’s. Assim, o saudosismo 80’s e sua trilha sonora tem sido muito explorado comercialmente nos últimos 10 anos, por exemplo por séries e filmes como Stranger Things, Guardiões da Galáxia, American Horror Story, entre outros. Também na música pop, o revival post-punk e low fi synth chegou ao mainstream, tanto na década de 00 como agora na década de 20.

Fora isso, até hoje a mídia musical nacional insiste em usar gótico como sinônimo de estilos 80’s (post-punk e new wave principalmente), como se o estilo tivesse acabado nos anos 80, ignorando todos os desenvolvimentos dos estilos pós 1990 (e muitas vezes até boa parte dos anos 80, mais especificamente a parte gótica).

Da mesma forma que setores da crítica musical apagaram a história da música dos anos 70, criando mito do punk 77 como “origem de tudo” (o crítico musical Simon Reynolds desfez essa “fake News” no seu livro Rip It Up and Start Again sobre a história do post-punk) também apagaram e ignoraram o desenvolvimento das vertentes góticas após 1989, e muitas vezes, em casos mais radicais, até mesmo depois de 1985.

Dos 40 anos de tradição histórica da subcultura gótica, 30 anos são geralmente ignorados e muitas vertentes são ignoradas. As vezes mais, como no atual “80’s” revival que exclui até mesmo desenvolvimentos da segunda metade dos anos 80.

Mesmo que boa parte dos góticos gostem também de anos 80, góticos representam uma parcela ínfima do público total do estilo 80’s. A maior parte dos fãs de 80’s não tem ligação com nenhuma subcultura alternativa. Aí está a pegadinha comercial: as festas anos 80 recebem rótulos genéricos de “alternativo” ou “underground” como forma de fazer uma versão palatável e comercial com grife de “diferentão”.

O problema – para os góticos- é quando é feita uma festa 80’s e ela é chamada de gótica... aí vemos a incoerência de ver góticos serem discriminados (por público de outras subculturas ou turistas do mainstream) em uma festa com nome de “gótica”. Mas geralmente são usados rótulos mais comercialmente aceitáveis como “underground” ou “alternativo”.

O argumento conservador “é só música e(ou) visual” serve para completar esse quadro