Renovação nas Casas e DJs Paulistas 1997-2005 (parte 1)

Renovação nas Casas e DJs de 1997 a 2005 na cena Gótica/Darkwave de S. Paulo (parte 1)

Em São Paulo, entre 1997 e 2005 algumas casas, uma nova geração de DJs e produtores de eventos góticos/darkwave renovaram a sonoridade das pistas desse segmento em São Paulo, e boa parte do que ouvimos nas pistas até hoje foi definido por essa geração. Vamos precisar várias e muitas outras entrevistas sobre o período, mas nesta começamos com os produtores e DJs Luiz Soncini, Washington, Cid Vale e Nagash, que marcaram época em casas e projetos como as casas Umbral e Arkham e o projeto RIP na casa Salamandra. Outras casas marcaram essa época, como a casa Deja Vu, na Barra Funda, e as casas Gotham e Thorns, em Pinheiros, abrigando também muitas noites inovadoras. Mas estas e outras ficam para um próximo post. Vamos ver hoje o que nos contam esses quatro DJs e produtores.


LUIZ SONCINI (DJ e Produtor): Quando você começou a frequentar casas góticas/alternativas?


LUIZ: Comecei a ser frequentador em 1993. Por curiosidade e por gostar de bandas como Cocteau Twins, Siouxsie and The Banshees e The Cure fui pela primeira vez no Armageddon. Lá ouvi muitas coisas que não conhecia e fui buscar posteriormente… Passei a ser frequentador e algum tempo depois conheci o Morcegóvia, onde fui DJ pela primeira vez em 1994, numa festa especial.


Que estilos musicais conviviam naquela época?


LUIZ: No Armageddon passava, para além dos clássicos dos anos 80, muita coisa nova e vanguardista. Muito dentro da Dark Wave, Gótico, Synth Pop e E.B.M.. Já no Morcegóvia (antigo Madame Satã) havia uma certa resistência quanto as novidades, mas os hits lançados em outros clubes estavam lá, assim como muitos Eighties, Indies e Guitar Bands.