CARACTERÍSTICAS DA SUBCULTURA GÓTICA

07- CARACTERÍSTICAS DA SUBCULTURA GÓTICA:


A) O SOMBRIO E O MACABRO B) O FEMININO E O AMBÍGUO C) ABSORÇÃO DE ELEMENTOS DE ESTILOS RELACIONADOS: CRIATIVIDADE D) A TEATRALIZAÇÃO E O CORPO E) APOLOGIA À CULTURA E SAUDOSISMO Vamos aqui analisar alguns grupos centrais de características da subcultura gótica, que derivam das características da literatura gótica (veja as características da literatura gótica aqui) e do significado de gótico na cultura ocidental nos últimos 250 anos. Introdução "É preciso enfatizar que os indivíduos montavam seu próprio estilo selecionando dentre os elementos que eu descrevo e que, como conseqüência, poucos, senão nenhum, adotavam todos eles. O valor destas categorias é que elas permitem a demonstração da consistência estilística geral da cena Gótica, sem deixar de lado os elementos de diversidade e dinamismo." (Hodkinson, 2002)Como toda subcultura (e cultura) moderna, a subcultura Gótica "roubou" quase todos seus artefatos e símbolos de outros sistemas estéticos e simbólicos, montando um novo sistema seu, no qual estes elementos reapropriados são resignificados. Portanto, buscar o "significado do Gótico" analisando em detalhe seus elementos isoladamente pode, às vezes, mais nos confundir do que esclarecer. Isso pode acontecer porque somente em relação ao sistema de representações da subcultura Gótica é que estes elementos produzem o sentido desta. É preciso observar o sistema como um todo para entender os elementos e, então, se pode perceber por que algumas características destes elementos são ressaltadas na subcultura Gótica, e outras não.Também seria muito extenso listar e analisar ícone por ícone, tótem por tótem, tabu por tabu. Em vez disso, vamos aqui desenvolver a descrição feita na pesquisa sobre a subcultura Gótica Inglesa realizada pelo cientista social Paul Hodkinson.Hodkinson dividiu didaticamente as características principais em três grandes grupos: (a)o obscuro e o macabro, (b)o feminino e o ambíguo e (c)elementos de outras subculturas. Depois faz comparações ao longo dos 20 anos de história da subcultura Gótica até o final da sua pesquisa (aproximadamente 1980-2000).Aqui acrescentaremos mais dois grupos de características que são baseados na pesquisa sobre a cena Francesa realizada pelo cientista social Antoine Durafour: (d)a teatralização e o corpo e (e) apologia a cultura e saudosismo.Observando características da subcultura Gótica no Brasil, notamos que os processos são similares, apenas com uma média de alguns anos de atraso. Comparativamente a relatos de outros autores que fizeram descrições recentes sobre a subcultura Gótica e Darkwave em outros países, chegamos a mesma conclusão, apesar das peculiaridades de tendência e nomeclatura de cada cena local.


A) O SOMBRIO E O MACABRO Nem tudo que é obscuro e/ou macabro se insere no repertório e sensibilidade da subcultura Gótica mas, em relação com os demais elementos subculturais, o obscuro e o macabro são elementos essencias nesta subcultura. Todavia a forma como Góticos e Darkwavers abordam o obscuro e o macabro obviamente difere da forma como outras subculturas e o mainstream desenvolvem estes temas.

Observando os Góticos desde a década de 80 até 2007, percebemos, apesar das atualizações de visual e repertório, e variações de ênfase, que alguns elementos estéticos permanecem quase imutáveis: a preferência por uma estética roubada de filmes ou peças expressionistas, misturada a elementos circenses, de cabaret, vitorianos, glam e de filmes noir, sejam, policiais ou ficção científica. Temos também a recorrência de faces maquiadas de forma semelhante ao cinema expressionista ou teatro butoh, com faces esbranquiçadas e traços de preto alongados ao longo dos olhos. Costumamos ter uma attitude "camp" (ou "teatral auto-irônica") condizente com esta estética.

Na área da música, percebemos na subcultura Gótica uma variedade de estilos musicais que raras vezes encontramos em outras subculturas (geralmente organizadas em torno de um estilo musical e suas variações, das quais deriva seu nome, como o metal, o hip-hop, etc). No caso do Gótico o que unifica esta variedade é o uso de recursos que buscam causar efeitos normalmente adjetivados como "escura", "profunda" e "sombria", mesmo que os estilos musicais mais comuns na subcultura Gótica sejam dançantes ou agitados, como o Rock, o Synth-Pop, a Darkwave, Eletro, "Indie", etc.

Os vocais masculinos tendem a ter voz profunda e grave, ou entrecortada e sussurante. Os vocais femininos variam de fortes e mais agressivos (como no pos-punk) a etéricos ou sussurantes (como na Darkwave e ethereal). Se no começo dos anos 80 tínhamos o som Gótico mais baseado em guitarras, ao longo dos anos 90 se popularizam as tendências eletrônicas ligadas aos estilos genericamente chamados de "Darkwave" (um termo que tem várias interpretações). O fato é que hoje temos uma grande variedade de estilos musicais relacionados coerentemente ao Gótico. Mesmo bandas com sonoridade mais "dance" mantiveram algum tipo de tema obscuro, vocais profundos, letras sombrias e metafóricas e "poderosos acordes atmosféricos".

A forma como nos vestimos também é uma forma de discurso e comunicação públicos. Historicamente, a base do vestuário Gótico é preta, aceitando algumas cores como sobreposição. Quais cores e a quantidade delas é uma tendência interna que varia ao longo das décadas dentro da própria subcultura Gótica e em cada cena local. Por exemplo, no começo dos anos 80