©2018 by GOTHIC STATION. Proudly created with Wix.com

DE ONDE VEIO A TRADIÇÃO MUSICAL DA CENA GÓTICA?

August 19, 2018

STATION TO STATION: LINHAS DE DESENVOLVIMENTO DOS ESTILOS MUSICAIS TRADICIONAIS NA CENA GÓTICA / DARKWAVE:

 



Representamos o átomo com a conhecida forma de esferas pequenas circulando um núcleo maior, mesmo sabendo que isso está longe da realidade, que é algo mais próximo de ondas de energia que se misturam. Mas essa representação nos ajudou a fazer coisas incríveis com a energia nuclear. Aqui, desenhar as linhas musicais alternativas como linhas de metrô é algo muito parecido com aquele átomo: tentamos mostrar algo que se assemelha muito a linhas de energia em movimento. Como os átomos, bandas e estilos podem estar em mais de um lugar ao mesmo tempo, se misturar, compartilhar... 
Importante, assim, notar que a mesma banda pode misturar estilos na mesma época ou transitar entre estilos diferentes ao longo dos anos.

Alguns itens abaixo não são estilos musicais, mas movimentos subculturais em que música foi importante, como é o caso da subculturas Beatnick e a Hippie, entre outras. 

Ouça algumas das bandas que influenciaram a música gótica e darkwave.
 

LINHA BEATNICK
O movimento Beatnick começa virada dos anos 1940 para os 1950, fundado em filosofia existencialista, música jazz livre, boemia urbana obscura e, claro, a poesia e literatura de Allen Ginsberg, Jack Kerouac e William Burroughs. 
The Doors e Velvet Underground, Nico e Andy Warhol, trouxeram algo novo para o universo do rock e da música alternativa. O estilo de poesia de suas letras, de imaginários explorados nos textos Beat tardios de Jim Morrisson e Lou Reed se tornam referências essenciais. 
No final nos anos 60 parte dos beats se torna mais espiritual, político e colorido, se transformando nos Hippies. Outra parte segue urbana, simbolista e existencialista, evoluindo para o proto-punk norte americano e o núcleo ligado a Patty Smith. No período do meio dos anos 70 os artistas dos EUA se consideravam Punks.
DICA DE LEITURA: Beat Punks, de Victor Bockris (1998/2016)

LINHA ROCK’N’ROLL
É fácil perceber a influência de rock tradicional dos anos 50 e 60, especialmente em bandas de gothic rock ou post-punk. A partir dos anos 70 o rock se subdivide em uma multidão de subestilos que não é nosso objetivo aqui aprofundar. De Elvis a Beatles e Rolling Stones, até Kinks, The Beach Boys e Animals no final dos anos 60, chegando a Doors e Velvet Underground na conexão... 

LINHA ERUDITA EXPERIMENTAL
O experimentalismo que chegou ao pop e ao underground nos anos 1970 e 80 começou antes em pesquisas de músicos eruditos. Após 1950 temos um maior desenvolvimento da música eletroacústica, a música eletrônica e concreta que se juntam ao serialismo. Dois nomes essenciais para entender essa evolução são o francês Pierre Boulez e o alemão Karlheinz Stockhausen. As experiências com fitas, loops e musica computacional começa com esses eruditos, e o questionamento de “o que é música” também. As experiências de Stockhausen e a popularização dos sintetizadores nos anos 1960 espalharam o experimentalismo que chegou ao pop e música alternativa. Membros da banda Kraftwerk estudaram com Stockhausen no final dos anos 60. Aqui chegamos à estação Krautrock.

KRAUTROCK STATION
Krautrock é o nome que se dá ao experimentalismo no Rock alemão do final dos anos 60 e ao longo dos anos 70. Mistura rock, psicodelia, eletrônica experimental, música concreta, eletroacústica, minimalismo, proto-industrial, música erudita moderna, jazz e quase tudo que se possa imaginar…
Influenciou tanto o post-punk quanto a música Industrial e as tendências eletrônicas, além do post-punk, a new wave, o synth e a EBM. 
O próprio termo EBM (Electronic Body Music) é cunhado pelos membros o Kraftwerk em 1977, apesar de o estilo que conhecemos como EBM ter sua fundação oficial depois, especialmente com FRONT 242. Na mesma entrevista para a revista Sounds em 1977 é usado o termo “Coldwave” para bandas minimalistas como Kraftwerk. Todo o Synth é fortemente influenciado por Kraftwerk.
EX: Kraftwerk, Can, Neu!, Tangerine Dream, Faust, Popol Vuh, Cluster, Amon Düül II, etc.
 

PROTO PUNK STATION
A partir de bandas do final dos anos 60 como MC5 e The Stooges (de Iggy Pop). O nome a partir de uma revista/zine do começo dos anos 70. Depois temos outra geração com grupos como Richard Hell and The Voidoids, Television, Patty Smith Group, Talking Heads, Blondie, Suicide, Père Ubu e The Ramones. 
Mas esse punk norte-americano era bem mais variado, com temáticas poéticas e ao mesmo tempo agressivas, líricas e suaves intercaladas com arroubos sônicos. Diferente do que ficaria conhecido como punk a partir de 1976 com os ingleses do Sex Pistols: desenvolvido por Malcoln McLarem este "punk" tem uma temática mais extrospectiva e política.
 

GLAM ROCK STATION
O Glam-Rock existiu oficialmente de 1970 a 1975. O estilo se caracteriza por uma temática hedonista-decadentista, (algo que já víramos no Doors e no Velvet antes) androginia, e um rock básico com muito suingue. Mas também havia lugar para muito lirismo, folk, cabaret e poesia. Ex: T-Rex, New York Dolls, Iggy Pop (& Stooges), David Bowie, Lou Reed, Roxy Music, Sweet, Slade, Gary Glitter, etc. 
Ícone do periodo, David Bowie também recriou o conceito do artista, que passa a viver personagens para melhor expressar seus ideais artísticos. A imagem da música passa a ser parte da obra de arte final. 
O Glam-Rock influenciou diretamente o Punk, o Post Punk, New Romantics e Góticos, tanto na musicalidade como em suas temáticas e estética, sendo que muitas das primeiras bandas Góticas pareciam e soavam muito como bandas Glam-Rock, como o Bauhaus e o Specimen. 
No período de 1970 a 1975 também a temática de cabaret decadentista está na moda com os musicais e filmes Cabaret e The Rocky Horror Picture Show.

PUNK STATION
O Punk é um termo polêmico. Muitos consideram o Proto-punk norte-americano como o verdadeiro punk, outros acham que aquele não era punk ainda e que tudo começa com os Pistols... Mais importante que tomar partido é entender as diferenças. Algo importante é que a ética DIY (Do It Yourself= Faça você mesmo) ajudou muita gente a sair da toca e criar música a partir do nada, nos mais diferentes estilos, desde o movimento Hippie até os anos 80. Isso vale para o Industrial também, e origens do eletrônico.
Nos Estados Unidos temos a banda New York Dolls (1970-1974) e uma geração, ligada ao clube CBGB, que contava com grupos como Richard Hell and The Voidoids, Television, Patty Smith Group, Talking Heads, Blondie, Suicide e The Ramones. Isso tudo até 1976. Na Inglaterra, a geração 77 é famosa: Sex Pistols, The Clash e Damned, logo chutado pelos Pistols... mas aí já começa o post-punk. 
DICA DE LEITURA: Mate-me por Favor (Uma História sem Censura do Punk), volumes 1 e 2, de Legs McNeil e Gillian McCain


INDUSTRIAL STATION & LINHAS INDUSTRIAIS
O termo "Industrial" teria sido sugerido pelo músico e performer Monte Cazazza: "música industrial para pessoas industriais". A ideia era uma "não música" que satirizasse o mundo. Após 1976, na Inglaterra, os mesmos conceitos eram desenvolvidos pelos pioneiros do Throbbing Gristle, do Cabaret Voltaire e do Clock DVA.

Em 1980, surge o Einsturzende Neubauten. Com o tempo, algumas bandas vão mesclando o estilo com outros, e surge o Industrial-Rock, como o caso de bandas como Ministry, Young Gods, Die Krupps e Nine Inch Nails, mas inicialmente ainda guarda ligação com o estilo original.
Muitos grupos transitam nas misturas Industrial/EBM, Synth-Pop/Electro ou EBM/Metal. Bandas importantes: Das Ich, Skinny Puppy, Front Line Assembly, The Young Gods, Ministry na sua fase até o começo dos anos 90. 
Ao longo dos anos 90, se popularizou o chamado "Industrial", com muitos elementos de Metal, mas que não tem mais a experimentação do Industrial original. É, na verdade, o “Industrial-Metal”.
DICA DE LEITURA: Industrial Evolution: Through the Eighties with Cabaret Voltaire, de Mick Fish 

POST PUNK/ NEW WAVE CENTRAL STATION
Aqui representamos o post-punk e new wave como uma grande estação central em que tudo se mistura, porque esse era o clima da época. Se a maioria das bandas góticas da época eram wave ou post-punk, o universo de bandas post-punk e new wave era (e é) muito, muito maior do que o gótico.
Podemos listar como bandas post punk /new wave: PIL, Wire, The Smiths, Echo and the Bunnymen, U2, Killing Joke, Stranglers, Gang of Four, além das bandas do “proto-punk” norte americano que continuavam em atividade, e bandas que posteriormente evoluíram para uma sonoridade tipicamente góticas como The Cure, Siouxsie & The Banshees e Bauhaus. Já o Joy Division acaba em 1980 e seus membros formam o New Order. Mas já estamos indo para outras estações.

LINHA DEATHROCK
A linhagem norte americana se inicia nos anos 80 com Christian Death, Community FK, 45 Grave, Eva O, Heltir e Shadow Projekt. A linhagem britânica evolui simultaneamente com Alien Sex Fiend, Sex Gang Children, Specimen. No final dos anos 80 surge o Mephisto Walz. Depois do suicídio de Rozz Williams, precursor do estilo, em 1998, temos um revival do estilo com novas bandas que viram para o século XXI: Cinema Strange, Deadfly Ensemble, Bloody Dead And Sexy, Hatesex, etc. 

LINHA POST PUNK/NEW WAVE/GOTHIC
Aqui não temos todo o amplo leque do post-punk (já comentado acima como “POST PUNK/ NEW WAVE CENTRAL STATION”) mas apenas o recorte de bandas ligadas a cena gótica com influência desses estilos. 
The Cure, Siouxsie and The Banshees, Joy Division, Ghost Dance, X-Mal, Love & Rockets, Ikon, The Shroud, Switchblade Symphony, Ikon, Faith and The Muse, Corpus Delicti, Diva Destruction, Frank The Baptist, Ego Likeness, The Beauty of Gemina, She Past Away, etc. 

LINHA HARD GOTHIC ROCK
Aqui temos uma lista de bandas que faz um gothic rock da linha Sisters/Fields/The Cult, com uma base mais hard rock ou ligada ao rock clássico dos anos 60.
The Sisters of Mercy, The Mission, The Fields of the Nephilim, Rosetta Stone, Two Witches, Lacrimosa, Nosferatu, The Merry Thoughts, The House of Usher, Garden of Delight, London After Midnight, Seraphin Shock, The Awakening, Love Like Blood, Golden Apes, Deathcamp Projekt, ASP, Star Industry, Mono Inc., Soror Dolorosa, Merciful Nuns, Ariel Maniki & The Black Halos, etc. 

LINHA ETHNO/ MEDIEVAL/ FOLK
Algumas destas bandas misturaram sons folk, ethno ou de música antiga com elementos modernos, como new wave e música eletrônica, outras desenvolveram uma recriação atual dessas sonoridades:
Dead Can Dance, Opera Multi Steel, Estampie, Corvus Corax, QNTAL, Daemonia Nymphe, Faun, Omnia, Irfan, Trobar de Morte, etc. 

LINHA ETHEREAL WAVE/ ETHEREAL 
Algumas estão no limite com a linha ethno, mas o tempo em geral é mantido baixo, os vocais são tipicamente etéreos e lentos, com predominância de vocalistas femininas com vocais líricos ou suaves (Mas há bons exemplos de vocais masculinos também).
This Mortal Coil, Dead Can Dance, Cocteau Twins, Black Tape for a Blue Girl, Cranes, Collection D’Arnell Andrea, Lycia, Sopor Aeternus, Love Spirals Downwards, Ataraxia, Love is Colder Than Death, Ophelia’s Dream, O Quam Tristis, Helium Vola, Theodor Bastard, Autumn’s Grey Solace, Otto Dix, etc. 

LINHA COLDWAVE/ DARKWAVE

O termo Coldwave surge pela primeira vez em 1977 na revista Sounds em uma entrevista encabeçada pela banda Kraftwerk (em que aparece também pela primeira vez o termo EBM, Electronic Body Music). Coldwave se refere a sonoridades minimalistas mais frias (Cold) que podem ser mais lentas, aceleradas ou misturadas com outros estilos. 
Twilight Ritual, Poesie Noire, Trisomie 21, Pink Industry, Clan of Xymox, Derrière Le Mirroir, Kirlian Camera, The Frozen Autumn, Other Day, Untoten, Lebanon Hanover, Zanias, Drab Majesty, etc. 

LINHA SYNTH GOTH /ELECTRO GOTH
Aqui a música darkwave se aproxima ou mescal com as vertentes mais dançantes ou aceleradas do synth pop, electro, EBM e outras vertentes eletrônicas:
Die Form, Anne Clarck, Deine Lakaien, Cassandra Complex, Wolfsheim, Das Ich, Clan of Xymox, In Strict Confidence, Silke Bischoff, Kirlian Camera, Diary of Dreams, The Cruxshadows, Terminal Choice, L’ Ame Imortelle, Seelenkrank, Blutengel, Tristesse de la Lune, Solar Fake, Ashbury Heights, Seelennacht, Massive Ego, etc…
 
EBM LINE
Popular nas pistas góticas desde os anos 80, o maior ícone é a banda FRONT 242. Outras são Nitzer Ebb, Klinik, Neon Judgement, Skynny Puppy, Front Line Assembly, Leather Strip, Wumpscut, Hocico, Suicide Commando, etc. Algumas misturam – dependendo do álbum – seu estilo com outras vertentes eletrônicas ou electro-industrial. 
Como vimos no ítem sobre Industrial, não é fácil estabelecer uma fronteira clara entre os dois estilos. Ao longo dos anos 80 e 90 a "EBM" incorporou experiências com vários outros estilos, que fazem a felicidade das pistas pelo mundo todo. Da mistura de EBM, Synth-Pop e elementos de trance surgiu no final dos 90’s o "Future Pop".

 


Esse é apenas um panorama bem geral, em edições futuras nos aprofundaremos em algumas linhas e estações.
...

Um assunto desse porte precisaria de dezenas de páginas para ser explorado em detalhes, nestas quatro páginas buscamos apenas apresentar um panorama geral. Se você se interessou, procure as bibliografias que indicamos e outras fontes, e, principalmente, não tenha pressa em entender: a mesma coisa pode entrar em diversas categorias dependendo do foco. E, principalmente, divirta-se e siga seu prazer musical. 
...
H. A. Kipper, 2017, revista Gothic Station Nº1

 

Ouça nossas playlists Góticas/Darkwave online 
 

Please reload

Our Recent Posts

FASCISMO: uma PESTE EMOCIONAL que nos atinge em qualquer ideologia ou modelo econômico

March 28, 2019

Lançamentos 2019

(em atualização até o final do ano de 2019)

SOPOR AETERNUS - Death and Flamingos:
https://open.spotify.com/album/4F85qRO7gIP1hq03n1yjq...

DESTAQUES DE 2019:

March 16, 2019

LANÇAMENTOS destaque 2009-2019

March 16, 2019

1/1
Please reload

Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now