DE ONDE VEIO A TRADIÇÃO MUSICAL DA CENA GÓTICA?

STATION TO STATION: LINHAS DE DESENVOLVIMENTO DOS ESTILOS MUSICAIS TRADICIONAIS NA CENA GÓTICA / DARKWAVE:


Representamos o átomo com a conhecida forma de esferas pequenas circulando um núcleo maior, mesmo sabendo que isso está longe da realidade, que é algo mais próximo de ondas de energia que se misturam. Mas essa representação nos ajudou a fazer coisas incríveis com a energia nuclear. Aqui, desenhar as linhas musicais alternativas como linhas de metrô é algo muito parecido com aquele átomo: tentamos mostrar algo que se assemelha muito a linhas de energia em movimento. Como os átomos, bandas e estilos podem estar em mais de um lugar ao mesmo tempo, se misturar, compartilhar... Importante, assim, notar que a mesma banda pode misturar estilos na mesma época ou transitar entre estilos diferentes ao longo dos anos. Alguns itens abaixo não são estilos musicais, mas movimentos subculturais em que música foi importante, como é o caso da subculturas Beatnick e a Hippie, entre outras. Ouça algumas das bandas que influenciaram a música gótica e darkwave.

LINHA BEATNICK O movimento Beatnick começa virada dos anos 1940 para os 1950, fundado em filosofia existencialista, música jazz livre, boemia urbana obscura e, claro, a poesia e literatura de Allen Ginsberg, Jack Kerouac e William Burroughs. The Doors e Velvet Underground, Nico e Andy Warhol, trouxeram algo novo para o universo do rock e da música alternativa. O estilo de poesia de suas letras, de imaginários explorados nos textos Beat tardios de Jim Morrisson e Lou Reed se tornam referências essenciais. No final nos anos 60 parte dos beats se torna mais espiritual, político e colorido, se transformando nos Hippies. Outra parte segue urbana, simbolista e existencialista, evoluindo para o proto-punk norte americano e o núcleo ligado a Patty Smith. No período do meio dos anos 70 os artistas dos EUA se consideravam Punks. DICA DE LEITURA: Beat Punks, de Victor Bockris (1998/2016) LINHA ROCK’N’ROLL É fácil perceber a influência de rock tradicional dos anos 50 e 60, especialmente em bandas de gothic rock ou post-punk. A partir dos anos 70 o rock se subdivide em uma multidão de subestilos que não é nosso objetivo aqui aprofundar. De Elvis a Beatles e Rolling Stones, até Kinks, The Beach Boys e Animals no final dos anos 60, chegando a Doors e Velvet Underground na conexão... LINHA ERUDITA EXPERIMENTAL O experimentalismo que chegou ao pop e ao underground nos anos 1970 e 80 começou antes em pesquisas de músicos eruditos. Após 1950 temos um maior desenvolvimento da música eletroacústica, a música eletrônica e concreta que se juntam ao serialismo. Dois nomes essenciais para entender essa evolução são o francês Pierre Boulez e o alemão Karlheinz Stockhausen. As experiências com fitas, loops e musica computacional começa com esses eruditos, e o questionamento de “o que é música” também. As experiências de Stockhausen e a popularização dos sintetizadores nos anos 1960 espalharam o experimentalismo que chegou ao pop e música alternativa. Membros da banda Kraftwerk estudaram com Stockhausen no final dos anos 60. Aqui chegamos à estação Krautrock. KRAUTROCK STATION Krautrock é o nome que se dá ao experimentalismo no Rock alemão do final dos anos 60 e ao longo dos anos 70. Mistura rock, psicodelia, eletrônica experimental, música concreta, eletroacústica, minimalismo, proto-industrial, música erudita moderna, jazz e quase tudo que se possa imaginar… Influenciou tanto o post-punk quanto a música Industrial e as tendências eletrônicas, além do post-punk, a new wave, o synth e a EBM. O próprio termo EBM (Electronic Body Music) é cunhado pelos membros o Kraftwerk em 1977, apesar de o estilo que conhecemos como EBM ter sua fundação oficial depois, especialmente com FRONT 242. Na mesma entrevista para a revista Sounds em 1977 é usado o termo “Coldwave” para bandas minimalistas como Kraftwerk. Todo o Synth é fortemente influenciado por Kraftwerk. EX: Kraftwerk, Can, Neu!, Tangerine Dream, Faust, Popol Vuh, Cluster, Amon Düül II, etc.

PROTO PUNK STATION A partir de bandas do final dos anos 60 como MC5 e The Stooges (de Iggy Pop). O nome a partir de uma revista/zine do começo dos anos 70. Depois temos outra geração com grupos como Richard H